rembrandt.jpg

Noite cerrada, tormentosa, escura,
Lá fora. Dormem em trevas o convento.
Queda imoto o arvoredo. Não fulgura
Uma estrela no torvo firmamento.

Dentro é tudo mudez. Flébil murmura,
De espaço a espaço, entanto, a voz do vento:
E há um rasgar de sudários pela altura,
Passo de espectros pelo pavimento…

Mas, de súbito, os gonzos das pesadas
Portas rangem… Ecoa surdamente
Leve rumor de vozes abafadas.

E, ao clarão de uma lâmpada tremente,
Do claustro sob as tácitas arcadas
Passa a ronda noturna, lentamente…

Olavo Bilac

Imagem:
The Company of Frans Banning Cocq and Willem van Ruytenburch, conhecida como ‘Night Watch’ (A Ronda da Noite)

Rembrandt, Rijksmuseum, 1642
363 x 437 cm