GNR – Dunas

Letra:
Dunas, são como divãs
Biombos indiscreto de alcatrão sujos
Rasgados por catos e hortelãs
Deitados nas Dunas, alheios a tudo
Olhos penetrantes
Pensamentos lavados

Refrão

Bebemos dos lábios, refrescos, gelados
Selamos segredos
Saltamos rochedos
Em câmara lenta como na TV
Palavras a mais na idade dos porquês

Dunas como que são divas
Quem nos visse deitados de cabelos molhados bastante enrolados
Sacos camas salgados
Nas Dunas, roendo maçãs
A ver garrafas de óleo, boiando vazias nas ondas da manhã

Anúncios