FREDERICO, O GRANDE
Quando existe a possibilidade para procedimento honroso, sejamos homens de honra; quando a simulação for necessária, sejamos patifes. – FREDERICO, O GRANDE
Frederico II, rei da Prússia entre 1740 e 1786, ganhou dos seus contemporâneos o cognome de “o Grande” por uma série de feitos bem delineados: transformou o seu reino numa potência europeia, modernizou a economia e patrocinou as artes e a cultura. Mas, sobretudo, lutou — com sucesso — na maioria das guerras travadas na Europa Central em seu tempo.
Ele preferia ser lembrado como o “rei-filósofo”. Como poeta, músico e intelectual influenciado pelo Iluminismo, Frederico II deu, de facto, sua contribuição à teoria política, defendendo a supremacia do Estado e argumentando que o poder real dependia do consentimento popular, em contrapartida à tradicional crença na bênção divina para as monarquias. À frente de um exército bem treinado, o soberano definiu os padrões de guerra do século XVIII e deu impulso ao militarismo prussiano, com impacto decisivo na história da Alemanha. Estadista, não hesitou em romper tratados e alianças ao sabor de seus interesses de momento — e defendeu, sem pudor, a sabedoria dessa diplomacia pouco ética.
Nascido em 1712, Frederico II chegou ao trono com a morte de seu pai, Frederico Guilherme I, o “rei-sargento”. Era então uma figura ridicularizada por uma adolescência infeliz: o seu pai considerava-o efeminado e espancava-o publicamente. Administrador e general competente, Frederico II conquistou, de espada na mão, o respeito das cortes europeias e a confiança da população de seu reino.

Anúncios