You are currently browsing the tag archive for the ‘O Lobo e o Cão’ tag.

Comemora-se amanhã, dia 2 de Abril, o Dia Internacional do Livro Infantil. Para assinalar essa data, publicaremos todos os dias uma fábula. Hoje é a quarta:

 

O Lobo e o Cão

 

Não tinha um lobo mais do que a pele e o osso.

Sinal é que, de orelha arrebitada,

Bem vigilante andava a canzoada.

Encontra o lobo um cão, forte, grosso,

Nutrido, luzidio, uma beleza!

Que distraído abandonara a estrada.

Sorri-lhe a nédia presa.

Saltar-lhe logo ali, fazê-lo em postas

O seu desejo fora. Dura empresa!

A luta era infalível. Voltar costas,

Não usam perros quando são valentes,

E, mais, os brutos!, Dão às vezes cabo

Do fero contendor! Diabo!… Diabo!

Então aquele, com aqueles dentes!

Humilde o lobo, pois, encolhe a cauda;

Chegasse ao cão; abaixa-lhe a cabeça;

Puxa conversa; diz que folga em vê-lo,

Que deixa que ele admire, que ele aplauda

Topá-lo assim… e com tão bom cabelo!…

E rijo! E gordo! Um frade! Uma abadessa!

— Esplêndido senhor. — O cão responde —,

De vós depende o ter igual gordura.

Fugi dos bosques, onde,

Por teima da desgraça,

De fome e frio só achais fartura,

Vós, senhor lobo, e a vossa pífia raça.

Dias e dias sem comerem nada!

E lá por festas, raras, esquecidas,

Um petisquinho conquistado à espada,

Tragado às escondidas!

Ai é certa a morte!

Furtais-vos a seus braços!

Segui, segui meus passos;

Tereis outro destino e melhor sorte.

— Mas como? — volve o lobo.

— Fazer então que devo?

— Bagatela:

Nem morte de homem. Nem de igreja roubo;

Simplesmente estas coisas: não dar trégua

A santa gente rota, mendicante,

Bordão numa das mãos, noutra a tigela,

Que vem inda à distância duma légua

E já tresanda a essência de tratante.

Lamber as mãos ao dono; ser submisso…

Dar coca — é o termo próprio — ao dono e a todo

Quanto bicho-careta houver em casa.

Salário apanhareis que vos apraza:

Ossos das aves, rodas de chouriço,

Restos vindos da mesa, e tudo a rodo!

Até uns tagatés em cima disso!

Tendo prestado ao cão atento ouvido,

O lobo, coitadinho!,

Com perspectiva tal enternecido,

Não tugiu nem mugiu, mas fez beicinho!

Iam a caminho já do povoado,

Quando o lobo notou que no pescoço

O cão era pelado!

— Que tens aí? — pergunta com alvoroço.

— Nada, que eu saiba. — Nada?! — Frioleira!

— Mas afinal o que é? — Ora!… A coleira, Com que à noite me prendem junto à porta…

— Prender-te?! — o lobo exclama. — Não sais fora,

Não corres livre pela terra inteira

Quando te dá na gana, e a toda a hora?

— Nem sempre. Isso que importa?

— Tanto importa que toda a trincadeira

Com que me acenas, um tesouro embora,

Por tal preço não quero!

— O lobo finda,

Põe-se logo na perna, e corre ainda!

 

(Trad. de Francisco Palha)

logo_be_15-16

Estatística

  • 2.111.181 visitas

Videoteca - DVD para empréstimo na Biblioteca

dvdcolec
melhornet
Bookmark and Share diigo it

Ler ebooks

Arquivos

Janeiro 2020
S T Q Q S S D
« Dez    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Comentários Recentes

SUAN em Provérbios de Maio
khanny merlina em Quantas vezes já pensaste…
joão marcelo nascime… em “Leilão de jardim”…
fhidafhui em Provérbios sobre o São Ma…
Sandy Matos em Provérbios de Setembro
feiradolivro
%d bloggers like this: