You are currently browsing the tag archive for the ‘Gonçalo Cadilhe’ tag.

Na passada segunda-feira, como previsto recebemos na nossa escola o viajante Gonçalo Cadilhe, em mais uma actividade do projecto aLer+. Durante uma hora e meia, perante uma assistência de três turmas de 9.º ano que lotaram por completo a biblioteca, Gonçalo levou-nos com ele pelas memórias de algumas das suas viagens, num percurso de evasão que tão cedo não será esquecido por todos os que assistiram. Além de viajante profissional e escritor cativante, Gonçalo é também um excelente comunicador e deixou em todos a vontade de repetir o encontro.

Gonçalo começou por nos falar um pouco das suas viagens, mostrando fotos das casas que «possui» pelo mundo inteiro: locais onde pernoitou, em casas de amigos, no meio das mais fantásticas paisagens do planeta. Seguiu-se a animada sessão de perguntas, muitas delas suscitadas pela leitura da obra Turnée, e outras que foram surgindo espontaneamente.

A  meio da sessão, um grupo de três alunos declamou o poema «A Viagem», de Miguel Torga, que aqui reproduzimos, com acompanhamento musical

Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar…
( Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).
Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura…
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar.

Obrigado Gonçalo, até à próxima. E boas viagens…

Deixamos aqui um pequeno excerto do filme produzido (podes ver a sua versão integral na Biblioteca), onde destacamos o arranjo musical inicial da professora Isabel Palha, que deixou todos, e em particular o Gonçalo, encantados:

Anúncios

Já foram apurados os vencedores do passatempo «Viajar é…», organizado a propósito da visita de Gonçalo Cadilhe à escola.

Aqui  ficam os nomes dos vencedores

Categoria alunos: Joel Capita, turma EFA BG

Categoria restante comunidade escolar:  professora Helena Farinha

E os respectivos trabalhos vencedores:

Normalmente as pessoas pensam que viajar é … apenas de avião, é mentira!
Autocarro, comboio, barco e até mesmo a pé podem ser grandes viagens, que cada um de nós pode desfrutar de cada paisagem!
Mesmo estando fechados podemos fazer da nossa viagem o momento em que vamos alcançar o próprio destino! A segurança e a confiança é que nos levam!
Viajar é fechar os olhos e simplesmente encarnar o condutor!
É sentir-nos mais próximos do destino!
Provavelmente muitas vezes compartilhar o percurso único com estranhos e dividir com eles a ansiedade de chegar.
Viajar é sobrevoar os céus, estar em grandes altitudes e sentir o frio na barriga.
É voar, tratar do destino (bilhete) e … por fim … arrecadar de outros lugares a cultura, crenças, artes, costumes e sabedoria.
Viajar é a curiosidade de estar num outro lugar,
É sentir na alma a sensação de mudança,
É pôr a vida em risco por uma causa justa,
É querer embarcar sem se preocupar com o quanto ela custa,
É desfrutar da companhia de estranhos,
É fazer do nosso destino um sonho prestes a ser realizado!
É aventurar-se no tempo e no espaço,
É não me importar com caminho que faço,
Mas apreciar cada sítio que passo!

Joel Capita
Turma EFA BG

___________________

Ah, viajar…
No espaço e no tempo. Perto e longe. De olhos fechados e de olhos bem abertos. No quarto, na sala de aula, num filme, num teatro. Para divertir, aprender, ajudar, libertar o corpo e a alma. Viajar num livro, numa canção. Viajar só e em grupo.
Viajar de mochila às costas, de barco, avião, camioneta, balão. Ir ao encontro. Reencontros. Abraços cheios. Redescobertas. Ir. Entrar na História. Estremecer ao (con)tacto. Velhas pedras marcadas pela vontade e pelo génio dos Antigos. Ainda de pé. Resistentes.
Ah, viajar…
O silêncio musical da floresta amazónica. O grande silêncio. Os cheiros adocicados do Norte de África. As cores intensas dos panos ondulantes. O desprendimento da Natureza. Terra, animais e plantas em estado puro.
Provar a alegria dos pratos. Comer com os olhos e com as mãos. Partilhar. Descobrir sabores. E gostar muito!
Não prever a adrenalina do naufrágio. Experimentar o frio incomum e o calor voraz.
Riso, choro, canto. Voar na sensualidade do tango e vibrar ao ritmo do samba alucinante. Sentir os pés soltos. Borboletear.
Ah, viajar…
Apaixonadamente. Estender as mãos ao Mundo. Entregar-me a ele.

Helena Farinha

No âmbito da vinda à escola do escritor Gonçalo Cadilhe, no próximo dia 10 de maio, a Biblioteca Escolar promove um passatempo que te habilita a ganhar livros autografados do autor. Podem participar alunos, professores, funcionários e encarregados de educação. Só tens de escrever um texto, em prosa ou poesia, com um máximo de 300 palavras, subordinado ao tema «Viajar é». Podes enviar o teu texto como comentário a esta mensagem ou para o email netescola[arroba]netcabo.pt. Não te esqueças de indicar o teu nome e turma. (Os encarregados de educação devem indicar o nome e a turma do seu educando). Há prémios para os três primeiros classificados em cada uma das categorias, «alunos» e «adultos». Envia o teu texto até ao dia 9 de Maio!

Depois de durante alguns meses estar reservado para a Área de Projecto das turmas do 9.º ano, a Tournée, de Gonçalo Cadilhe, encontra-se agora disponível para leitura domiciliária, e é um excelente aperitivo para as férias grandes, que já não estão longe.

Tournée reúne um conjunto de crónicas divididas em “quatro pontos cardeais subjectivos”, como explica o autor e viajante:- O que abre o livro, Ocidente, recolhe as viagens que efectuou “pelos territórios descobertos por Colombo, as suas ‘Índias’, todo o pedaço de planeta que resultou da empresa colombiana”, a América Latina;
– O Sul, “tudo o que nos está a Sul, e que vem precisamente do chamado ‘sul do mundo’ quando se quer falar das suas regiões mais miseráveis”, África;
Oriente “é … oriente. Como dizia o título de um divertido filme paquistanês (…) ‘east is east’”;
Norte, que “aparece aqui como o contrário do sul: as regiões do mundo onde reinam a opulência, o supérfluo, um desmesurado bem-estar material jamais alcançado antes na História”.

Nascido para vaguear, o autor e viajante trata por tu as pessoas com quem se cruza e os objectos que traz na mochila, ao mesmo tempo que conduz o leitor pelos lugares mais deslumbrantes, pelos autocarros mais apinhados, pelas paisagens mais remotas, vivendo uma errância que o leva aos quatro cantos do mundo.

O escritor Gonçalo Cadilhe vai visitar a nossa escola no próximo dia 10 de Maio,  para uma conversa com duas turma do 9.º ano. Essas duas turmas, na sua Área de Projecto, trabalharam a obra Tournée, no âmbito do projecto aLer+.

«Gonçalo Cadilhe nasceu na Figueira da Foz em 1968, onde reside habitualmente. Precisou de uma licenciatura em Gestão de Empresas e de sete meses a picar o ponto para compreender que não tinha percebido nada da vida: tudo o que lhe interessava se encontrava na direcção oposta. Despediu-se do emprego, da família e do país e começou a viajar e a escrever. Iniciou a actividade de jornalista independente na Grande Reportagem, colaborando actualmente com o Expresso. Ao longo de uma deliciosa carreira que não o levou ainda a lado nenhum, para sua grande felicidade, excepto aos lugares mais remotos do planeta, continua a guiar a sua actividade literária pelo princípio sagrado de escrever para comer. » (in Wook.pt)

No Âmbito do projecto aLer+, algumas turmas do 9.º ano estão a ler o livro Tournée de Gonçalo Cadilhe, um conjunto de crónicas – a maior parte já publicadas em livros anteriores de Gonçalo Cadilhe – divididas em “quatro pontos cardeais subjectivos”, como explica o autor e viajante:

– O que abre o livro, Ocidente, recolhe as viagens que efectuou “pelos territórios descobertos por Colombo, as suas ‘Índias’, todo o pedaço de planeta que resultou da empresa colombiana”, a América Latina;
– O Sul, “tudo o que nos está a Sul, e que vem precisamente do chamado ‘sul do mundo’ quando se quer falar das suas regiões mais miseráveis”, África;
Oriente “é … oriente. Como dizia o título de um divertido filme paquistanês (…) ‘east is east’”;
Norte, que “aparece aqui como o contrário do sul: as regiões do mundo onde reinam a opulência, o supérfluo, um desmesurado bem-estar material jamais alcançado antes na História”.

Para Gonçalo Cadilhe, o seu Norte é o mundo ocidental, pelo que o livro termina no mundo ocidental. “É tempo de voltar a casa”, escreve.

Eis um dos trabalhos da autoria da turma 9.º 3.ª, com a rota do viajante e fotografias dos locais visitados.  O painel encontra-se exposto na biblioteca (clica na imagem para veres  maior).

África Acima, de Gonçalo Cadilhe

África Acima, de Gonçalo Cadilhe

África Acima recolhe crónicas semanais que Gonçalo Cadilhe foi escrevendo e publicando no jornal Expresso ao longo de vários meses.
Como é seu hábito, Gonçalo Cadilhe recusou o transporte aéreo. Em autocarros e comboios, em balsas e bicicletas de ocasião, à boleia em camiões ou a pé com a mochila às costas, o viajante atravessou África desde o cabo da Boa Esperança, no extremo Sul, até ao Estreito de Gibraltar, no extremo Norte.
Oito meses, quinze países, 27 000 quilómetros e 50 000 palavras resultaram num livro sincero e deslumbrado, em que as amizades, o humor, a tolerância e a humildade.

logo_be_15-16

Estatística

  • 1,879,159 visitas

Videoteca - DVD para empréstimo na Biblioteca

dvdcolec
melhornet
Bookmark and Share diigo it

Ler ebooks

Arquivos

Setembro 2017
S T Q Q S S D
« Jun    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Comentários Recentes

SUAN em Provérbios de Maio
khanny merlina em Quantas vezes já pensaste…
joão marcelo nascime… em “Leilão de jardim”…
fhidafhui em Provérbios sobre o São Ma…
Sandy Matos em Provérbios de Setembro
feiradolivro
%d bloggers like this: