You are currently browsing the tag archive for the ‘Jorge Sousa Braga’ tag.

No dia 23 de Abril comemora-se o Dia Mundial do Livro. Até lá publicaremos todos os dias um poema diferente, sobre o livro ou a leitura, de poetas consagrados. Este é o primeiro:

As árvores e os livros

As árvores como os livros têm folhas
e margens lisas ou recortadas,
e capas (isto é copas) e capítulos
de flores e letras de oiro nas lombadas.
E são histórias de reis, histórias de fadas,
as mais fantásticas aventuras,
que se podem ler nas suas páginas,
no pecíolo, no limbo, nas nervuras.
As florestas são imensas bibliotecas,
e até há florestas especializadas,
com faias, bétulas e um letreiro
a dizer: «Floresta das zonas temperadas».
É evidente que não podes plantar
no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
Para começar a construir uma biblioteca,
basta um vaso de sardinheiras
.

Herbário, Jorge Sousa Braga

Concluímos hoje a publicação dos vídeos produzidos no âmbito da iniciativa «…Diz lá um poema» de comemoração do Dia da Árvore/Dia da Poesia. Terminamos com Jorge Sousa Braga, dito por professores e alunos da escola.

Continuamos com a publicação dos vídeos produzidos no âmbito da iniciativa «…Diz lá um poema» de comemoração do Dia da Árvore/Dia da Poesia. Hoje com Miguel Torga, Jorge Sousa Braga e poemas originais do 6.º 5.ª, ditos por professores e alunos da escola.

Continuamos com a publicação dos vídeos produzidos no âmbito da iniciativa «…Diz lá um poema» de comemoração do Dia da Árvore/Dia da Poesia. Hoje com Eugénio de Andrade, Fernando Pessoa, Jorge Sousa Braga e poemas originais do 6.º 5.ª, ditos por professores e alunos da escola.

Continuamos com a publicação dos vídeos produzidos no âmbito da iniciativa «…Diz lá um poema» de comemoração do Dia da Árvore/Dia da Poesia. Hoje com Jorge Sousa Braga, Olavo Bilac, José Gomes Ferreira e poemas originais do 6.º 5.ª, ditos por professores e alunos da escola.

Integrado no programa de comemorações do Dia da Árvore e do Dia da Poesia, concluímos hoje a publicação de uma colectânea de 20 poemas sobre a árvore ou a natureza.

Raízes
Quem me dera ter raízes,
Que me prendessem ao chão.
Que não me deixassem dar
Um passo que fosse em vão.

Que não me deixassem crescer
silencioso e erecto,
como um pinheiro de riga,
uma faia ou um abeto.

Quem me dera ter raízes
Raízes em vez de pés.
Como o lódão, o aloendro,
O ácer e o aloés.

Sentir a copa vergar,
Quando passasse um tufão.
E ficar bem agarrado,
pelas raízes ao chão.

Jorge Sousa Braga

Integrado no programa de comemorações do Dia da Árvore e do Dia da Poesia, continuamos hoje com publicação de uma colectânea de 20 poemas sobre a árvore ou a natureza, maioritariamente de autores portugueses.

A árvore da borracha

As árvores também se enganam,
mão a somar ou a subtrair,
Mas a florir!
Nem por isso ficam preocupadas.
Há sempre uma árvore da borracha,
mesmo à mão para apagar,
os erros que dão.

Jorge Sousa Braga

Integrado no programa de comemorações do Dia da Árvore e do Dia da Poesia, continuamos hoje com publicação de uma colectânea de 20 poemas sobre a árvore ou a natureza, maioritariamente de autores portugueses.

A lúcia-lima

Não tem boca nem pulmões.
Que não tenha não admira,
porque é pelas folhas,
que a Lúcia-lima respira

Não tem boca nem pulmões,
nem veias, a Lúcia-lima!
Mas tem seiva, quanto basta,
a subir pelo caule acima.

E se porventura a ferirem,
acaba por cair no chão
A não ser que alguém lhe dê
logo uma transfusão.

Jorge Sousa Braga

Integrado no programa de comemorações do Dia da Árvore e do Dia da Poesia, continuamos hoje com publicação de uma colectânea de 20 poemas sobre a árvore ou a natureza, maioritariamente de autores portugueses.

As árvores e os livros

As árvores como os livros têm folhas
e margens lisas ou recortadas,
e capas (isto é copas) e capítulos
de flores e letras de oiro nas lombadas.

E são histórias de reis, histórias de fadas,
as mais fantásticas aventuras,
que se podem ler nas suas páginas,
no pecíolo, no limbo, nas nervuras.

As florestas são imensas bibliotecas,
e até há florestas especializadas,
com faias, bétulas e um letreiro
a dizer: «Floresta das zonas temperadas».

É evidente que não podes plantar
no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
Para começar a construir uma biblioteca,
basta um vaso de sardinheiras.

Jorge Sousa Braga

Integrado no programa de comemorações do Dia da Árvore e do Dia da Poesia, continuamos hoje com publicação de uma colectânea de 20 poemas sobre a árvore ou a natureza, maioritariamente de autores portugueses.

O meu caderno de folhas

Tenho folhas lanceoladas
lobadas, lineares,
redondas, sagitadas,
elípticas, ovalares,
pilosas ou ciliadas,
filiformes, triangulares,
inteiriças, espatuladas,
em forma de coração.
E folhas A4 e A5,
lisas ou quadriculadas.
Mas estas não são
para aqui chamadas,
– Ou serão?

logo_be_15-16

Estatística

  • 1,828,607 visitas

Videoteca - DVD para empréstimo na Biblioteca

dvdcolec
melhornet
Bookmark and Share diigo it

Ler ebooks

Arquivos

Maio 2017
M T W T F S S
« Abr    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
feiradolivro
%d bloggers like this: